Yto Barrada | Marrocos / França

É artista visual e cineasta. Suas esculturas, filmes e trabalhos gráficos têm como principais temas as relações entre África e Europa, principalmente em áreas geopoliticamente limítrofes, como o estreito de Gibraltar, além da realidade urbana de Tânger, cidade na qual passou a viver e trabalhar em 1999. A mudança para o Marrocos, país de origem de sua família, configura-se como estratégia da artista, tanto do ponto de vista de sua atividade cultural — como fundadora e diretora da Cinémathèque de Tânger, que dirige desde 2003 — quanto artística. Em sua relação com essa cidade, desenha-se uma espécie de topografia cultural atenta às nuances da realidade pós-colonial. Estudou História e Ciências Políticas na Université Paris IV, Sorbonne, Paris, prosseguindo estudos em Fotografia no International Center of Photography, Nova York. Seu currículo é composto por uma extensa participação em exposições nos mais importantes museus e bienais de arte,  como o New Museum, Nova York; Tate Modern, Londres; Centre Georges Pompidou e Palais de Tokyo, Paris; Bienal de Istambul, 2013; 54a Bienal de Veneza, entre outras. Em 2013, foi pesquisadora visitante na New York University (NYU), Nova York, e professora convidada da The Cooper Union for The Advancement of Science and Art, na mesma cidade.

Wallpaper – Tangier | 2001, fotografia

O painel fotográfico mostra uma paisagem idílica genérica, remetendo a um cenário vago e longínquo de calma e tranquilidade. Registro do papel de parede de um café em Tânger, cidade marroquina a 30 quilômetros da costa espanhola, a obra é parte do Le Project du Détroit, investigação da artista sobre o Estreito de Gibraltar como marco de separação entre Europa e África. Segundo Barrada, seu interesse era observar o imaginário construído sobre e a partir de Tânger, tanto por turistas europeus quanto por marroquinos e outros africanos interessados em emigrar para a Europa. Wallpaper sublinha o poder de uma imagem que reforça a ficção de uma vida de facilidades à espera do outro lado, colocando em tensão a vida real e o desejo de pertencer a outra realidade.