Ting-Ting Cheng | Taiwan

É artista. Trabalha com vídeo, fotografia e instalação. Sua obra discute as relações entre texto, imagem e língua, e de que forma configuram noções de identidade, pertencimento e cultura. Concluiu mestrados em Artes Visuais pela Goldsmiths College, University of London, em 2014, e em Fotografia pela University of Westminster, Londres, em 2009. Entre outras, realizou exposições individuais no Taipei Fine Art Museum (2011); no Addaya Centre D’Art Contemporani, Mallorca, Espanha (2011); na Galeria Luis Adelantado, Valência, Espanha (2013); além de I know what you are trying to say, Rowan Arts, Londres, (2012); e I know what you are trying to say II, Galeria Normart, Osaka (2014), seminais no desenvolvimento de sua pesquisa. Algumas de suas participações em exposições coletivas incluem You Are Here, Kingsgate Gallery e Camden Art Centre, Londres (2014); Bi-City Biennale of Urbanism/Architecture, Shenzen, (2013); e III Moscow International Biennal for Young Art (2012). Vive e trabalha em Londres.

The Atlas of Places do not exist | 2013, instalação

A artista cria uma biblioteca com aproximadamente quinhentos títulos, em português e inglês, sobre lugares que não existem em nenhum plano – político, social, filosófico ou geográfico. Os livros estarão disponíveis para o público e poderão ser lidos no espaço expositivo. Ao opor os conceitos de existência e visibilidade, a artista questiona o que faz com que certos lugares existam, enquanto outros permanecem inexistentes, apesar de igualmente reais. Desdobramento de uma pesquisa sobre as relações entre texto, imagem e língua na configuração das noções de identidade, pertencimento e cultura, The Atlas of Places Do Not Exist é um mapeamento subjetivo de lugares, que sublinha a forma como os saberes e a linguagem podem ser usados como instrumento político.