Rodrigo Matheus | Brasil

É artista visual.  Sua obra se organiza a partir do confronto com os materiais e objetos encontrados no cotidiano dos centros urbanos e nos rescaldos da sociedade de consumo. Tais elementos são muitas vezes deslocados para o espaço expositivo, bem como empregados como unidades de construção dos trabalhos. Em sua trajetória, é constante a alusão ao universo das grandes corporações, em alguns momentos explorado a partir da criação de empresas fictícias, que supostamente assinariam os trabalhos expostos pelo artista. Configura-se, assim, uma visão do design e da indústria enquanto campo de relações de poder. É graduado em Artes pela Universidade de São Paulo (USP), Brasil, e é mestre em Escultura pela Royal College of Art, Londres, Reino Unido. Realizou mostras individuais na Fundação Manuel António da Mota, Porto, Portugal, 2013; e no Museu de Arte da Pampulha (MAP), Belo Horizonte, 2004. Participou de mostras coletivas no Palais de Tokyo, Paris, 2013; no Museu de Arte Moderna de São Paulo (MAM-SP), em 2013 e 2011; e no The New Museum, Nova York, 2010. Vive e trabalha em São Paulo.

Mauser & Cia | 2015, instalação

Produzida para o Festival, a instalação de Rodrigo Matheus consiste em tambores suspensos, equilibrados em uma estrutura de balanços, pesos e contrapesos que ocupa, de forma dinâmica, o espaço expositivo. O projeto parte da história do conjunto de galpões que abriga hoje o Sesc Pompeia, construído por uma empresa alemã nos anos 1930 para servir de sede a uma fábrica de tambores e, mais tarde, abandonado pela família Mauser, proprietária do imóvel, que voltou para a Europa na Segunda Guerra. Para o artista, o projeto traz “para dentro do espaço físico do Galpão parte das ruínas de sua história – que, em certa medida, se relacionam com o brutal processo de industrialização, urbanização e arruinamento sofrido pela cidade que o abriga nos últimos cem anos”.