Curadoria

Sutil sintonia
por Solange O. Farkas

O viés geopolítico que aproxima regiões de passado colonial em um heterogêneo conjunto de sotaques afins é uma ideia que guia o Festival de Arte Contemporânea Sesc_Videobrasil desde os anos 1990. O 19º Festival dedica-se inteiramente a colocar em diálogo vertentes diversas da produção recente desta região simbólica. Os Panoramas do Sul se estendem, assim, a três exposições, que reúnem obras selecionadas a partir de convocatória aberta, projetos que o Festival escolheu para comissionar e trabalhos de cinco artistas convidados: o malinês Abdoulaye Konaté, os brasileiros Sônia Gomes e Rodrigo Matheus, o português Gabriel Abrantes e a marroquina Yto Barrada.

A fina complementaridade deste conjunto de conteúdos resulta do trabalho dos curadores convidados Bernardo José de Souza, Bitu Cassundé, João Laia e Júlia Rebouças, pela primeira vez responsáveis pelos três segmentos expositivos do Festival. O edital para comissionamento de projetos, que amplia o espectro de ação do Videobrasil e dá novo sentido a sua pesquisa curatorial, e o lançamento do primeiro livro da série Panoramas do Sul | Leituras, com ensaios dedicados à ideia do Sul geopolítico na arte, são outras mudanças importantes na estrutura desta edição do Festival. O 19º Videobrasil marca, ainda, a abertura do Galpão VB, espaço que passa a abrigar uma série de atividades permanentes de pesquisa e ativação do Acervo Videobrasil. As exposições e programas de filme do Festival se dividem entre o Sesc Pompeia e o Galpão VB, assim como as atividades, encontros e ferramentas que ativam e exploram suas exposições, incluindo oficinas, conversas, visitas, programações on-line e o seminário Lugares e sentidos da arte: debates a partir do Sul. A mostra paralela Quem nasce pra aventura não toma outro rumo, que ocupa o Paço das Artes no período do Festival, reúne uma seleção de obras do Acervo Videobrasil que, de alguma forma, reverberam os temas dos Panoramas do Sul. A curadoria de Diego Matos reafirma a política de reforçar o diálogo entre a coleção e a produção contemporânea.

Para além de um conjunto coeso, o que resulta da experiência de dedicar o 19º Festival à produção do Sul é um panorama instigante das estratégias, contranarrativas e indagações que, muitas vezes em sutil sintonia, artistas de trajetórias mais e menos consolidadas mobilizam para confrontar a realidade contemporânea.

sobre os curadores

Curadora geral
Solange Farkas
(vive e trabalha em São Paulo, Brasil)
É curadora e diretora da Associação Cultural Videobrasil. Criou o Festival Internacional de Arte Contemporânea SESC_Videobrasil, evento de que é curadora-geral e que trouxe ao Brasil grandes nomes da arte contemporânea internacional. Foi responsável pelas exposições Sophie Calle – Cuide de Você (2009) e Joseph Beuys – A Revolução Somos Nós (2010). Em sua carreira como curadora, destacam-se a Mostra Africana de Arte Contemporânea (São Paulo, 2000); Mostra Pan-Africana de Arte Contemporânea (Salvador, 2005); La Mirada Discreta: Marcel Odenbach & Robert Cahen (Buenos Aires, 2006); Eder Santos – Roteiro Amarrado (Rio de Janeiro, 2010), Isaac Julien: Geopoéticas (São Paulo, 2012) e Alfabeto Infinito | Angela Detanico e Rafael Lain (Porto Alegre, 2013) e Videobrasil 30 anos (2013/2014), que teve itinerâncias em Varsóvia, Polônia; Atlanta, EUA; Joanesburgo e Cidade do Cabo, África do Sul e Beijing, China. Foi curadora convidada pelo 5º Videozone: International Video Art Biennial (Israel, 2010), pela 16ª Bienal de Cerveira (Portugal, 2011), pela 10ª Bienal de Charjah (Emirados Árabes Unidos, 2011), pelo 3º Festival de Videoarte de Macau (China, 2012) e pelo Screen from Barcelona Festival (Espanha, 2012). Foi diretora e curadora-chefe do Museu de Arte Moderna da Bahia (Salvador, 2007 a 2010). Participou de programação em homenagem ao Videobrasil no Festival de la Imagen (Manizales, Colômbia, 2013). No mesmo ano, o 6th Jakarta International Video Festival teve mostra com curadoria de Solange Farkas, bem como a FUSO, anual de videoarte em Lisboa que repetiu a parceria com a curadora e com a Associação Cultural Videobrasil em 2014.

Curadores convidados
Bernardo José de Souza
(vive e trabalha no Rio de Janeiro, Brasil)
É curador de arte, professor universitário e escreve para publicações sobre cultura visual. Bacharel em Comunicação Social pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS) e especialista em Fotografia e Moda pela London College of Fashion - University of the Arts, Reino Unido. É membro dos conselhos curadores do Museu de Arte Contemporânea do Rio Grande do Sul (MACRS), Porto Alegre, Brasil; e da Fundação Vera Chaves Barcellos (FVCB), na mesma cidade. Sua atividade no campo das artes visuais inclui a organização de exposições, festivais de cinema, seminários, publicações e programas educativos. Foi curador da 9ª Bienal do Mercosul, 2013, Porto Alegre, e coordenador de Cinema, Vídeo e Fotografia da Secretaria de Cultura da Prefeitura da capital gaúcha. Escreve para publicações sobre cultura visual, colaborando para revistas como Vogue, URBE, VOX e para o jornal Folha de São Paulo. É professor da Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM), tendo lecionado na Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS), na Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos), e no SENAC - São Paulo. Vive e trabalha no Rio de Janeiro.

Bitu Cassundé (vive e trabalha em Fortaleza, Brasil)
É curador e pesquisador. Concluiu mestrado pela Escola de Belas Artes da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte, Brasil. É curador do Museu de Arte Contemporânea do Ceará - Centro Cultural Dragão do Mar (MAC-CE), Fortaleza, Brasil, onde foi curador assistente e coordenador de pesquisa entre 1998 e 2007. Coordena o Laboratório de Artes Visuais do Porto Iracema das Artes, na mesma cidade. Integrou a equipe curatorial do Programa Rumos Artes Visuais, em São Paulo, entre 2008 e 2009. Entre 2009 e 2011, dirigiu o Museu Murillo La Greca, em Recife. Integrou diversos júris, entre os quais o da 4ª edição do prêmio Marcantonio Vilaça. Junto com Clarissa Diniz, formou a coleção contemporânea do Centro Cultural Banco do Nordeste, vinculado ao projeto Metrô de Superfície. Vive e trabalha em Fortaleza.

João Laia (vive e trabalha em Londres, Reino Unido)
É escritor e curador. Concluiu dois mestrados, em Curadoria e Cinema. Em 2014, foi residente na Fondazione Sandretto Re Rebaudengo, em Turim, Itália, instituição dedicada à promoção da arte contemporânea. Organizou as mostras de imagem em movimento no Festival IndieLisboa. Realizou curadorias no Centre de Cultura Contemporània de Barcelona (CCCB), Espanha; no Museu de Arte Contemporânea do Chiado, Lisboa; e na Whitechapel Gallery, Londres. Colabora para as revistas Frieze e Mousse, e para o jornal Público. É cofundador do The Green Parrot, espaço sem fins lucrativos para projetos de arte em Barcelona, Espanha. Vive e trabalha em Londres.

Júlia Rebouças
(vive e trabalha entre Belo Horizonte e Brumadinho, Brasil)
É curadora, pesquisadora e crítica de arte. É co-curadora da 32a Bienal de São Paulo, a se realizar em 2016. De 2007 a 2015, trabalhou na curadoria do Instituto Inhotim. Desde 2012 colabora com a Associação Cultural Videobrasil, integrando a comissão curadora dos 18º e 19º Festivais Internacionais de Arte Contemporânea SESC_Videobrasil, em São Paulo. Foi curadora adjunta da 9a Bienal do Mercosul, em Porto Alegre, mostra intitulada Se o clima for favorável, em 2013. Integrou o corpo de jurados do concurso que selecionou o projeto arquitetônico e curatorial do Pavilhão do Brasil na Expo Milano 2015, concurso realizado em janeiro de 2014, em Brasília. Escreve textos para catálogos de exposições, livros de artista e colabora com revistas de arte. Em 2014, participou da comissão curatorial do livro Outras fotografias na Arte Brasileira Séc. XXI, editora Cobogó. Atualmente, trabalha na edição de livro sobre a obra de Sônia Gomes. É mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Arte Visuais da Universidade Federal de Minas Gerais, e doutoranda no mesmo programa. Graduou-se em Comunicação Social/Jornalismo pela Universidade Federal de Pernambuco (2006).